Bacalhau ao Zé do Pipo

E aí pessoal? Tudo beleza? Com a proximidade do final do ano, já começamos a nos programar em relação às festas que estão por vir, concordam?! Se iremos viajar ou não, se passaremos com a família ou com amigos, eu às vezes ainda me pego pensando se irei passar trabalhando ou não…

Não sei como foi a infância de vocês por ocasião das festas de final de ano,  mas lá na minha casa sempre passávamos juntos. Como éramos os únicos da família que morávamos no Rio e todo o restante dos tios, primos e avós moravam em Maceió, cresci com a ideia de que a ceia de Natal ou Reveillon era constituída de carne (pernil ou Peru),  arroz à grega (sempre à grega), uma maionese, uma farofa e pavê de sobremesa. EU ADORAVA!!!! Pois era sempre um momento de felicidade na família.

Acontece que com o tempo, após eu conhecer a família de minha esposa (enorme e toda de origem portuguesa) aprendi o que era um festão de final de ano… Cada tia de minha esposa levava uma das suas receitas preferidas, cada prima (as já casadas) também queriam levar suas receitas preferidas e todas levavam suas sobremesas preferidas, ou seja, era uma fartura (até um exagero, confesso) de pratos diferentes. Na verdade não tão diferentes, pois como disse, a família era de origem portuguesa, logo era uma variedade de pratos de bacalhau… Salada de bacalhau, Arroz de bacalhau, Bacalhau ensopado, Bacalhau ao forno e frango de padaria. O que?!?! Frango de padaria?!?! Sim, pois as crianças que não comiam bacalhau tinham que comer alguma coisa kkkkk.

Pois bem, durante esses quase dezessete anos de casado no meio dessas receitas de bacalhau, uma delas me conquistou e passou a ser minha preferida pelo fato do sabor do bacalhau ficar “balanceado” no meio dos outros ingredientes. Estou falando da receita de bacalhau ao Zé do Pipo.

Porque esse nome Zé do Pipo? Após uma consulta no Wikipédia descobri que “essa receita deve o seu nome a José Valentim, apelidado de “Zé do Pipo”, dono de um restaurante tradicional da cidade do Porto e autor da receita. Foi criado na década de 40, tendo então alcançado a primeira posição num concurso denominado ‘ melhor refeição ao melhor preço’…”.

Chega de papo e vamos a receita.

Vocês vão precisar de:

  • 1,3 Kg de bacalhau do porto,
  • 1 kg de batata,
  • 1 colher de sopa de manteiga (ou margarina),
  • 1 caixinha de creme de leite,
  • 1/2 xícara de chá cream cheese,
  • 1/2 xícara de chá de azeite,
  • 3 cebolas grandes cortadas em rodelas,
  • 2 colheres de sopa de maionese,
  • Queijo parmesão para gratinar.

Como fazer:

Pessoal essa é mais uma receita em que a preparação começa no dia anterior. Na véspera do dia em que será servido esse prato, ainda pela manhã, coloquem o bacalhau de molho para dessalgar, e sempre que vocês lembrarem deve ser ser feita a troca da água de molho, quanto mais vezes melhor (se preocupe de trocar pelo menos à cada oito horas).

Depois de dessalgado, coloquem o bacalhau numa panela grande com água para cozinhá-lo e acabar de dessalgar (figura 1). Permaneçam com ele na água até levantar fervura (figura 2), porém não mais do que isso, pois caso o bacalhau fique muito tempo na água fervente é possível que ele fique ainda mais salgado.

Após retirarem da água fervente esperem que ele esfrie um pouco e comecem a desfiá-lo, separando as lascas de bacalhau das espinhas e da pele.

Figura 1 - Cozinhar e dessalgar.

Figura 1 – Cozinhar e dessalgar.

Figura 2 - Levantou fervura retire da água.

Figura 2 – Levantou fervura retire da água.

Nessa água do bacalhau vamos colocar as batatas descascadas para cozinhar, além de aproveitarmos a água quente vamos dar um “gostinho” de bacalhau nas batatas (figura 3).

Figura 3 - Batatas na água do bacalhau.

Figura 3 – Batatas na água do bacalhau.

Após 15 minutos da batata em cozimento, espetem uma delas com um garfo e caso esteja macia retirem do fogo e escorram (figura 4), é realmente necessário a verificação da textura macia das mesmas para iniciar o próximo passo.

Figura 4 - Após verificarem a maciez da batata, escoram-na.

Figura 4 – Após verificarem a maciez da batata, escoram-na.

Após escorrerem as batatas coloquem na mesma panela onde foram cozidas e adicionem uma colher de sopa de manteiga (figura 5) e amassem com auxílio de um amassador (figura 6).

Figura 5 - Manteiga nas batatas.

Figura 5 – Manteiga nas batatas.

Figura 6 - Amassando-as, caso não tenham um amassador, podem fazer com um garfo mesmo.

Figura 6 – Amassando as batatas, caso não tenham um amassador, pode ser feito com um garfo.

Em seguida coloquem na sequência a caixa de creme de leite (figura 7) e a meia xícara de chá cream cheese (figura 8). Lembrem-se de  mexere bem (e até mesmo continuarem amassando) a cada novo ingrediente incluído no purê, após isso reservem (figura 9).

Figura 7 - Caixinha de creme de leite.

Figura 7 – Caixinha de creme de leite.

Figura 8 - Cream cheese.

Figura 8 – Cream cheese.

Figura 9 - Viu como fica "lisinho"?!

Figura 9 – Viram como o purê fica “lisinho”?!

Vamos agora para o recheio. Numa frigideira grande (a maior que tiverem) em fogo alto, despejem meia xícara de azeite (figura 10) e incluam as cebolas cortadas em rodelas (figura 11).

Figura 10 - Azeite na frigideira.

Figura 10 – Azeite na frigideira.

Figura 12 - Cebolas cortedas em rodelas.

Figura 12 – Cebolas cortadas em rodelas.

Pessoal, deixem a cebola por uns 10 minutos no azeite sempre mexendo com uma colher de bambu, vocês perceberão que as rodelas irão soltar os anéis e murcharem (figura 13).

Figura 13 - Anéis de cebola soltinhos.

Figura 13 – Anéis de cebola soltinhos.

Logo após os anéis ficarem todos soltos e ligeiramente dourados incluam o bacalhau desfiado por cima da cebola (figura 14), mexam bem para que fiquem incorporados um aos outros e incluam a cebolinha picada (figura 15). Mexam por 5 a 10 minutos até toda a mistura na frigideira ficar ligeiramente dourada (figura 16).

Figura 14 - Olhem como ficou o bacalhau após desfiado.

Figura 14 – Olhem como ficou o bacalhau após desfiado.

Figura 15 - Após a cebola e o bacalhau estarem misturados, incluam a cebolinha picada.

Figura 15 – Após a cebola e o bacalhau estarem misturados, incluam a cebolinha picada.

Figura 16 - O tempo pode variar conforme a potência do seu fogão.

Figura 16 – O tempo pode variar conforme a potência do seu fogão.

Vamos agora “montar” nossa comida? Coloquem num refratário de 20 cm X 30 cm metade do purê de batata (Figura 17), depois o bacalhau com a cebola (figura 18) e cubram com a outra metade do purê (figuras 19 e 20).

Figura 17 - Metade do purê.

Figura 17 – Metade do purê.

figura 18 - Bacalhau refogado com cebola.

Figura 18 – Bacalhau refogado com cebola.

Figura 19 - A outra metade do purê.

Figura 19 – A outra metade do purê.

Figura 20 - Prontinho.

Figura 20 – Prontinho.

Vamos agora para o toque final. Por cima do purê espalhem duas colheres de sopa de maionese (figura 21 e 22) e na sequência cubram  com queijo parmesão ralado (figura 23).

Figura 21 - Maionese por cima de tudo.

Figura 21 – Maionese por cima de tudo.

Figura 22 - tem que espalhar bem a maionese por toda a superfície.

Figura 22 – Tem que espalhar bem a maionese por toda a superfície.

Figura 23 - Por fim salpiquem o queijo parmesão por cima de tudo.

Figura 23 – Por fim salpiquem o queijo parmesão por cima de tudo.

Agora é só levarem ao forno pré-aquecido à 230°C por 30 minutos ou até o queijo parmesão gratinar (figura 24) e servirem ainda quente com um bom vinho verde (figura 25).

Figura 24 - O queijo parmesão gratinou... Podem servir!

Figura 24 – O queijo parmesão gratinou… Podem servir!

Figura 25 - Servidos???

Figura 25 – Servidos?

VAMOS TENTAR?
AOS TALHERES!

2 comentários em “Bacalhau ao Zé do Pipo

  • 31/12/2021 em 02:56
    Permalink

    Parece ótima essa receita. Irei testar com certeza!
    Obrigada por compartilhar.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.