Cuscuz Marroquino

E aí pessoal? Tudo beleza? Meus amigos desbravadores da cozinha, por acaso vocês já ouviram falar em cuscuz marroquino? Eu confesso que até fazer essa receita que vou apresentar hoje, acreditava que o que dava adjetivo de marroquino ao cuscuz eram os ingredientes que eram incluídos na farinha de milho, mas não é.

Após essa comida ficar famosa, principalmente entre os adeptos da comida vegetariana ou vegana, resolvi me informar sobre ela e fiz algumas descobertas, dentre elas foi que diferente do cuscuz tradicional do Brasil, feito à base de farinha de mandioca e de milho, o cuscuz marroquino é feito com sêmola de trigo.

Outra coisa muito importantíssima que descobri é que nos restaurantes da comida vegetariana ou vegana essa comida custa os “zóiodacara”, e esse foi um dos fatores motivantes para tentar fazer essa receita.

Para fazer essa receita vocês irão precisar de dois ingredientes não tão comuns de serem encontrados no mercado, mas eles existem! Um deles é o trigo do cuscuz que é encontrado no setor de comidas importadas (não é tão caro, uma caixa de um quilo eu comprei por 14 reais) e o outro ingrediente é a amêndoa cortada em lâminas que é encontrada no mesmo setor que vende amendoim, castanhas e derivados.

Vocês vão precisar de:

  • 1/2 xícara de chá de amêndoas laminadas,
  • 1/2 colher de sopa de margarina,
  • 1/2 xícara de chá de uva passa branca,
  • 1 cebola roxa pequena
  • 1 xícara de chá de trigo de cuscuz marroquino,
  • 1/2 xícara de chá de salsinha picada,
  • 1 colher de chá de açafrão,
  • 1 colher de chá de sal,
  • Raspas da casca de um limão,
  • Suco de um limão,

Como fazer:

A primeira coisa que dever ser feita é dar uma ligeira dourada nas amêndoas, para isso coloquem numa frigideira em fogo alto, meia colher de sopa de margarina e quando ela derreter incluam a meia xícara de chá das amêndoas na frigideira (figuras 1 e 2), mexam por três minutos para que elas dourem por igual (figura 1), em seguida retirem do fogo e reservem.

Figura 1 – Não deixem a manteiga escurecer demais, assim que ela derreter incluam as amêndoas.

Figura 2 – Tentem distribuir por igual as amêndoas na frigideira.

Figura 3 – Mexendo o tempo todo, em apenas 3 minutos elas estarão douradinhas.

Piquem a salsinha em pedaços grandes ou se tiverem paciência separem as folhas dos talos (figura 4). Cortem a cebola roxa ao meio e depois cortem em tiras finas (figura 5). Em seguida fervam uma xícara de chá de água quente e coloquem sobre as uvas passas para escalda-las (figura 6), esperem 5 minutos e coloquem essa água junto com as passas sobre a cebola cortada em tiras (figura 7) e deixem assim até o momento de misturar todos os ingredientes.

Figura 4 – O ideal é colocar as folhas da salsinha inteiras, separando-as dos talos.

Figura 5 – A cebola roxa não é ácida como as outras, por isso não se assustem com a quantidade.

Figura 6 – Escaldar as uvas passas é essencial para deixar o cuscuz mais gostoso.

Figura 7 – Cebola e passas levemente adocicadas.

Em uma tigela coloquem a xícara de trigo de cuscuz marroquino e  temperem com uma colher de chá de açafrão (figura 8) e uma colher de chá de sal (figura 9). Não misturem demais esses temperos no cuscuz se não os temperos irão para o fundo da tigela.

Figura 8 – Espalhem o açafrão por cima de tudo, mas não misturem demais.

Figura 9 – Meia colher de chá de sal para mim é suficiente.

Vamos para o passo da receita que requer mais atenção, coloquem uma xícara de água fervendo misturado com uma colher de sopa de azeite sobre o trigo de cuscuz (figuras 10 e 11) e tampe a tigela por cinco minutos (figura 11).  Atenção APENAS cinco minutos, pois se passar disso o cuscuz irá empedrar e ficará difícil de misturar os outros ingredientes (figura 12).

Figura 10 – É uma xícara de água já com o azeite misturado.

Figura 11 – Em apenas cinco minutos a água irá fazer o cuscuz quase dobrar de volume.

Figura 12 – A tigela que utilizei já tem tampa, mas caso vocês não tenham podem tampar com um prato.

Figura 12 – Olhem como a água sumiu! Agora é transferir para outro pote.

Após os cinco minutos em que a água irá hidratar o cuscuz transfira o cuscuz para outra tigela, como ele estará ligeiramente compacto, utilizem uma colher ou garfo para raspar o cuscuz (figura 13) e deixar ele “soltinho” novamente (figura 14).

Figura 13 – Raspando o cuscuz.

Figura 14 – Trigo de cuscuz soltinho.

Meus amigos agora é a parte mais fácil, adicionem nesse trigo de cuscuz as amêndoas laminadas (figura 15), o cheiro verde (figura 16), as cebolas e as uvas passas (figura 17), as raspas de um limão ralado (figura 18), misturem tudo e por fim, na hora de servir, temperem tudo com o suco de limão (figura 19).

Figura 15 – Amêndoas laminadas douradinhas na manteiga.

Figura 16 – As folhas de cheiro verde.

Figura 17 – Cebola e uvas passas hidratadas. Não coloquem a água na qual elas estavam hidratando.

Figura 18 – Raspas da casca de limão. Não raspem a parte branca para não amargarem o cuscuz.

Figura 19 – Agora é transferir para uma tigela bonita e servir.

Figura 20 – Servidos?

 

VAMOS TENTAR?
AOS TALHERES!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.